A COMUNICAÇÃO COMO FATOR DE INTEGRAÇÃO A UMA EQUIPE DE TRABALHO ORGANIZACIONAL

Olivir do Carmo Chaves

Resumo


Reconhecer a comunicação humana como principal elo e ferramenta para sobrevivência empresarial se faz necessário. Este artigo traz uma breve leitura da comunicação como fator de motivação empresarial e suscita as relações internas como provedoras de resultados benéficos à organização.  Analisa o espaço tradicional empresarial e pontua o comportamento do administrador frente à comunicação. Assiná-la a comunicação interna como ponto sólido, amplo e estratégico entre a administração e os executores das tarefas necessárias ao bom andamento da empresa. Resgata alguns tópicos essenciais do comportamento humano como fator de interação organizacional e caracteriza a importância do conhecimento da língua como fonte de transmissão da informação e conhecimento. Estabelece a tecnologia como fator agregador de comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. 9ª ed., São Paulo: Cortez, 2003.

BAHIA, Juarez. Introdução à comunicação empresarial. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

CAHEN, Roger. Comunicação Empresarial: a imagem como patrimônio da empresa e ferramenta de marketing. 10ª ed., Rio de Janeiro: Best Seller, 2005.

CERTO, Samuel C. Administração moderna. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

FEITOSA, Vera Cristina, Redação de textos científicos. 4. Ed. São Paulo: Papirus, 1991.

FIORELLI, José Osmir. Psicologia para administradores: integrando teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

GRÖNROOS, Christian. Marketing: gerenciamento e serviços. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

GUERRA, Maria José. Linguagem e Cultura: aspectos da formação de gestores em comunicação organizacional. In

http://www.ajes.edu.br/arquivos/20081103163931.pdf - acessado em 30.06.2009.

KNUSCH, Margarida M.K. Relações Públicas e modernidade. 1 ed. São Paulo: Summus, 1997.

KOTLER, Philip. Marketing de A a Z. Rio de Janeiro: Campos, 2003.

LARA, Marilda Lopes Ginez de. Diferenças conceituais sobre termos e definições e implicações na organização da linguagem documentária. Revista Ciência da Informação, Vol. 33 nº 2, Brasília May/Aug. 2004.

MADALENO, Cláudia. Importância da língua portuguesa para a carreira. Informativo FIAP, Edição 188, São Paulo, Outubro 2007.

MARTINS, Vera Lucia Bianchini e MONTEIRO, Jucilene A. Arruda. A importância da língua portuguesa na área da administração. Revista Facecla, edição 01 de 15 de fevereiro 2008. São Paulo. Disponível em:

www.facecla.com.br/revistas/recadm/edicao1/artigo01.pdf - acessado: 30.06.2009

MINICUCCI, Agostinho. Psicologia aplicada à administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

OLIVEIRA, e PAULA, Carine F. Caetano de. Comunicação no contexto das organizações: produtora ou ordenadora de sentidos? In: OLIVEIRA, Ivone de Lourdes e SOARES, Ana Thereza Nogueira. (Org.) Interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, 2008.

PUTNAM, PHILLIPS, N.; CHAPMAN, P. Metáforas da comunicação e da organização. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: ação e análises organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004. v. 3, p. 77-125.

PIMENTA, Maria Alzira. Comunicação empresarial. 4. ed., rev. e ampl. Campinas: Alínea, 2002.

PINTO, Eduardo. Comunicação para a produtividade. Rio de Janeiro: Quarter, 1994.

RIEL, Cees. B.M. Principles of corporate communication. Hemel Hempstead, Prenntice – Hall, 1995.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. 9. Ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002

SALES, Rodrigo de. A questão da linguagem usada dentro das organizações: um levantamento bibliográfico. Revista ACB. Vol. 12, n° 1 (2007).

TORQUATO, Gaudêncio. Tratado de Comunicação Organizacional e Política. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

WAGNER III, John A. e HOLLENBECK, John R. Comportamento organizacional: criando vantage competitive. São Paulo: Saraiva, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.