AGLOMERAÇÕES E SISTEMAS PRODUTIVOS NO NORDESTE: AS POLÍTICAS DE APLS EM ALAGOAS SÃO ADEQUADAS À REALIDADE LOCAL?

Thierry Molnar Prates, Adhemar Ranciaro Neto

Resumo


O presente artigo é parte de uma pesquisa em andamento sobre a natureza dos APLs no Nordeste do Brasil, e tem como objetivo compreender a caracterização dos aglomerados produtivos de acordo com a literatura e as práticas correntes de identificação desses arranjos.

A premissa é que existe uma diferença significativa entre o que é possível identificar com dados oficiais e o que realmente existe, em se tratando de políticas públicas. Esse distanciamento pode ser explicado por diversos motivos, o primeiro deles é a abundância de recursos públicos disponíveis para incentivo de APLs, que estimula a criação de política de sistemas (ou APLs).

Texto completo:

PDF

Referências


AUDRETSCH, D. B.; FELDMAN, M. P. R & D spillovers and the geography of innovation and production. American Economic Review 86 (3), 1996, p. 630-640.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Sistemas de Inovação: políticas e perspectivas. Parcerias Estratégicas, n. 8, 2000, p. 237-255.

COOKE, P.; MORGAN, K. The associational economy: Firms, regions and innovation. Oxford: Oxford University Press, 1998.

CROCCO, M. A. et al. Metodologia de Identificação de Arranjos Produtivos Locais Potenciais. Texto Para Discussão, n. 212 , Belo Horizonte: UFMG/ Cedeplar, 2003.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social e SEPL – Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral, Governo do Estado do Paraná (2006). Arranjos Produtivos Locais do Estado do Paraná: identificação, caracterização e construção de tipologia. Curitiba: IPARDES.

KNORRINGA, P. Economics of collaboration: Indian shoemakers between market and hierarchy. Sage, New Dehli and London, 1996.

KRUGMAN, P. Geography and trade. Cambridge: MIT Press, 1991.

________. Development, geography and economic theory. Cambridge, MA: MIT Press, 1995.

KRUGMAN, P.; VENABLES, A. J. The Seamless World: a spatial model of international specialization. Discussion Paper, Centre for Economic Policy Research, London, n. 1.230, 1995.

LUSTOSA, M. C. et.al. Evolução e dinâmica da política de Arranjos Produtivos Locais em Alagoas. In: FAPEAL (Org.). Alagoas Contemporânea: Economia e Políticas Públicas em Perspectiva. Maceió: FAPEAL, 2014.

MAILLAT, D. From the Industrial District to the Analyses of Territorialized Productive Organizations. Working Paper, n. 9606b. Institut de Recherches Economiques et Regionales. Université de Neuchâtel, 1996.

MARKUSEN, A. sticky places in slippery space: a typology of industrial districts. Economic Geography, 1996, p. 293-313.

MARSHALL, A. Principles of economies: an introductory volume. New York: MacMillan, Eighth Edition, 1949, (Book IV).

NADVI, K.; SCHMITZ, H. Industrial Clusters in Less Developed Countries: review of experiences and research agenda. Discussion Paper, n.339, Institute of Development Studies, University of Sussex, Brighton, 1994.

NORTH, D. C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge University Press. United Kingdom, 1990.

PORTER, M.; The competitive advantage of nations. Macmillan, London, 1990.

________. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review. Nov-Dec, 1998, p. 77-90.

RABELOTTI, R. Recovery of a mexican cluster: devaluation bonanza or collective efficiency? World Development, 27 (9), 199, p. 1571-86.

SAXENIAN, A. Regional advantage: culture and competition in silicon valley and route 128. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1994.

SCHMITZ, H. Collective efficiency and increasing returns. IDS Working Paper nº 5. Brighton: IDS/University of Sussex, 1997.

________. Global competition and local co-operation: success and failure in the Sinos Valley, Brazil, World Development, 27 (9), 1999, p. 1627-1650.

________. Clusters and Chains: how inter-firm organisation influences industrial upgrading. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M.; MACIEL, M. L. (Eds.). Systems of innovation and Development: evidence from Brazil, Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2003a, p. 273-290.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S. Coeficientes de Gini locacionais (GL): aplicação à indústria de calçados do Estado de São Paulo. Nova Economia, v. 13, n. 2, jul.dez. 2003, p. 39-60.

________. Clusters ou Sistemas Locais de Produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política, v. 24, n.4, out. dez. 2004, p.543-562.

SUZIGAN, W. (Org.). Identificação, Mapeamento e Caracterização Estrutural de Arranjos Produtivos Locais no Brasil. Relatório Consolidado. Brasília: IPEA, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.